Ficar perturbado nos principais locais de viagem: evitável ou inevitável?


Onde você é mais incomodado no exterior?

Ainda me lembro da sensação de naufrágio que tive ao descer do trem em Guangzhou, China, à 1h. Você acha que talvez chegar no meio da noite no meio do inverno pode poupá-lo do ataque de pessoas gritando e insistentes agitando panfletos laminados, mas não.

“Hotel hotel HOTEL HOTEL hotel hotel BARATO BARATO bom preço !!”

O refrão parecia uma cacofonia de buzinas mal afinadas, reforçada por cotovelos acotovelados e mãos agarrando nossos casacos. Essas situações exigem uma respiração profunda e profunda de calma centrada. Caso contrário, se você for como eu, é provável que surte e comece a correr o mais rápido possível na direção oposta.

Guangzhou não é o único lugar em que isso acontece no mundo, é claro. Nos destinos carregados com D maiúsculo, onde os viajantes chegam em enxames com necessidades óbvias a serem atendidas (espirituais, comerciais, básicas ou outras), há inevitavelmente uma massa de moradores esperando para atender a essas necessidades ou criá-las. The Age publicou recentemente um artigo sobre as principais cidades onde você é incomodado como viajante e posso pensar em muitas que não estão nessa lista.

Para mim, é uma sensação desagradável. Não gosto de lutar no meio da multidão, não gosto de puxar minhas roupas e gritar, não gosto da sensação de estar em uma interação total e desmascarada do consumidor com um lugar e suas pessoas. É como tirar aquele pequeno véu de "autenticidade" ou admiração de uma experiência de viagem e um lugar para revelar a estrutura simples e feia do dinheiro por baixo.

Mas, novamente, é realmente meu lugar reclamar sobre isso? Afinal, na China ou no Peru estou aproveitando o baixo custo de vida e buscando minha própria versão do autêntico (chineses morando em hutongs tradicionais? Peruanos caminhando com lhamas pelos Andes?) E não há motivo para que a população local precise cumprir minha visão de uma autêntica fuga idílica, certo? Para muitos deles, sou uma forma de ganhar dinheiro - talvez uma forma simpática e amigável de ganhar dinheiro ou ligeiramente hostil, mas, de qualquer forma, um caminho para o dinheiro. Isso os torna pessoas más, cínicas e sinistras? Talvez alguns, mas não todos.

De outro ângulo, no entanto, pode-se perguntar se esse tipo de ataque total não regulamentado, jogando todos os tipos de bens e serviços aleatórios em turistas realmente beneficia os "vendedores" ou "agenciadores" ou "locais" ou como você os classificaria em final - muitas vezes cria um ressentimento e hostilidade entre eles e os visitantes, pode acabar prejudicando o turismo na área e frequentemente leva a um desenvolvimento desenfreado na forma de albergues e pousadas de mochileiros e, para usar um termo polêmico aqui, “Poluição cultural”.

No entanto, como nós e eles evitamos que isso aconteça?

O que vocês acham, leitores? Onde estão os lugares que você mais foi incomodado? Como você lida com isso? O que você acha que poderia ser feito sobre isso? Vamos começar a discussão.


Assista o vídeo: 10 Destinos mais baratos pra viajar pelo Brasil. Dicas de Viagem LTS


Artigo Anterior

A Taste Of The Anarchist’s Cookbook

Próximo Artigo

Humanidade conectada é Deus