“A história é nossa e as pessoas fazem história”: Algumas reflexões sobre o 11 de setembro


11 de setembro de 2001.

É uma daquelas datas que está marcada de forma indelével no calendário das memórias da maioria das pessoas. Você se lembra de onde estava quando ouviu sobre os ataques em Nova York, em Washington, D.C, em uma cidade na Pensilvânia da qual você nunca tinha ouvido falar. Você se lembra de como o céu era incrivelmente azul. Você se lembra do momento em que tudo parecia mudar.

Há outro 11 de setembro.

11 de setembro de 1973 foi o dia em que os militares chilenos deram um golpe com o objetivo de derrubar o presidente Salvador Allende. Antes do suposto suicídio de Allende, ele fez um discurso de despedida no qual disse "... processos [S] ociais não podem ser presos por crime ou força. A história é nossa e as pessoas fazem história. ”

Pessoas fazem história.

As pessoas por trás das manchetes. O povo sem voz. Sem dinheiro. Sem força. Sem autoridade. Pessoas cuja única credencial são as crenças cuidadosamente consideradas e defensivas até a morte, que são os únicos catalisadores para uma mudança verdadeira.

Pessoas que sabem no que acreditam, mas que nunca têm medo da opinião dos outros, que convidam ao diálogo em vez de diatribes, e que são maduras o suficiente para sempre buscar mais conhecimento e curiosas o suficiente para querer entender os outros.

Enquanto refletimos sobre o 11 de setembro passado, vamos ter em mente que NÓS somos os que estão fazendo história.

Qual é a história que VOCÊ deseja fazer?

Foto de destaque: rosefirerising (Flickr creative commons)
Foto: Kanaka’s Paradise Life (Flickr creative commons)


Assista o vídeo: A História por trás do 11 de Setembro. Nostalgia História


Artigo Anterior

Paris em 100 Macarons

Próximo Artigo

Resenha: Mate os períodos de viagens enfadonhos com o Nintendo DS